Paulo Cupertino Matias, principal suspeito pela morte do ator de 22 anos e dos pais dele, usou carro com placas clonadas para fugir, segundo a Polícia Civil.

 

Por César Galvão, SP2 — São Paulo

 

A Polícia Civil encontrou, nesta quarta-feira (12), munição calibre 38, um carregador de pistola e documentos em dois endereços do comerciante Paulo Cupertino Matias, na Zona Sul de São Paulo. Ele é apontado como o assassino do ator Rafael Miguel e dos pais dele.

Na noite desta terça-feira (11), a Justiça decretou a prisão temporária do comerciante, por 30 dias e agora é considerado foragido da Justiça.

As câmeras de segurança no entorno do local do crime podem ajudar a polícia a saber como o crime aconteceu. As imagens que a investigação já têm mostram os assassinatos de longe. Outras câmeras podem ter gravado o momento em que Rafael, o pai e a mãe dele foram mortos e a fuga do comerciante. Uma delas fica na oficina de Paulo Cupertino.

“Nessa loja que ele trabalha tem uma câmera, que daria para pegar perfeito [o momento do crime], mas não tem mais o equipamento lá. Alguém pode ter retirado o equipamento de lá, sim”, disse o delegado Bruno Tessari.

A polícia recebeu denúncias que apontam que Paulo Cupertino poderia estar escondido no Litoral Norte, ou na região de Campinas. Outras indicam endereços na Zona Sul de São Paulo.

A polícia encontrou o carro usado por ele na fuga.

Uma equipe do Comando de Operações Especiais (COE) faz buscas em matas da região e um deles disse ter visto um homem parecido com Paulo Cupertino correndo no meio do mato. Ninguém foi encontrado

Uma câmera de segurança registrou uma das vítimas do ataque ao ator Rafael Henrique Miguel e sua família caindo na rua após tirosno domingo (9). Pelas imagens não é possível identificar qual é a vítima que aparece ferida.

No vídeo, é possível ver o carro da família chegando e depois uma das vítimas caindo no chão ao lado do Renault Kwid vermelho, que aparece no canto esquerdo das imagens.

As gravações mostram ainda a chegada da Polícia Militar cerca de cinco minutos depois do crime. Antes disso, há uma grande movimentação de vizinhos pela rua. As imagens já estão com a Polícia Civil, que analisa o conteúdo dos vídeos e busca por novas filmagens.